Nizam
www.Fonte:alim.org

Em Shaykhan, a meio caminho entre Medinah e Uhud, o exército de mil muçulmanos liderados pelo Profeta parou. O sol havia começado a afundar no horizonte. O Profeta desmontou de seu cavalo Sakb. Ele estava totalmente vestido para a batalha: usava uma couraça sob a qual havia uma cota de malha presa com um cinto de couro para a espada, um turbante enrolado em seu capacete e pendurou seu escudo em suas costas e sua espada em seu lado.

Quando o sol se pôs, Bilal chamou o adhan e eles oraram. Então, o Profeta revisou suas tropas mais uma vez e percebeu entre elas a presença de oito meninos que, apesar da pouca idade, desejavam participar da batalha. Entre eles, estavam o filho de Zayd, Usamah, e o filho de Omar, Abdullah, ambos com apenas treze anos. O Profeta ordenou que todos voltassem para casa imediatamente. Dois dos meninos, no entanto, demonstraram que eram guerreiros hábeis e foram autorizados a acompanhar o exército até a Batalha de Uhud enquanto os outros foram enviados de volta para suas famílias.

Desde muito jovem, Abdullah ibn Omar demonstrou, portanto, seu desejo de ser associado ao Profeta em todos os seus empreendimentos. Ele aceitou o Islam antes dos dez anos de idade e fez a Hégira com seu pai e sua irmã, Hafsah, que mais tarde se tornaria esposa do Profeta. Antes de Uhud, também foi afastado da Batalha de Badr e somente na Batalha da Trincheira que ele e Usamah, agora com quinze anos de idade, foram autorizados a se juntar às fileiras dos homens - não apenas para cavar a trincheira, mas também para a batalha.

Desde o momento de sua hégira até o momento de sua morte, mais de setenta anos depois, Abdullah ibn Omar se destacou a serviço do Islam e foi considerado entre os muçulmanos como "o Bom, filho do Bom", de acordo com Abu Musa al-Ashari. Ele era conhecido por seu conhecimento, humildade, generosidade, piedade, veracidade, incorruptibilidade e constância em atos de ibadah (adoração).

Aprendeu muito com seu grande e ilustre pai, Omar, e ambos tiveram o privilégio de aprender com o maior professor de todos, Muhammad, o Mensageiro de Deus. Abdullah observava e examinava atentamente cada palavra e ação do Profeta em várias situações e praticava o que observava de perto e com devoção. Por exemplo, se visse o Profeta realizando Salat em um lugar específico, ele oraria mais tarde no mesmo lugar. Se o visse fazendo uma súplica em pé, também faria uma dua (súplica) assim. Se o visse fazendo um dua sentado, faria o mesmo. 

Em uma viagem, se visse o Profeta descer de seu camelo em um determinado lugar e orar dois rakats, e tivesse a oportunidade de passar na mesma rota, ele parava no mesmo lugar e orava dois rakats. Em um lugar específico em Meca, certa vez observou o camelo do Profeta dando duas voltas completas antes de desmontar e orar dois rakats. Pode ser que o camelo tenha feito isso involuntariamente, mas Abdullah ibn Omar, quando por acaso esteve no mesmo lugar em outro momento, fez seu camelo completar duas voltas antes de fazê-lo se ajoelhar e desmontar e, então, orou dois rakats exatamente da mesma maneira que viu o Profeta fazer.

Aishah, que Deus esteja satisfeito com ela, percebeu esta devoção de Abdullah ao Profeta e observou: "Não houve ninguém que seguisse os passos do Profeta, que Deus o abençoe e lhe dê paz, nos lugares onde ele pousou, como o fez Ibn Omar."

Apesar de observar estritamente suas ações, Abdullah era extremamente cauteloso, e até mesmo temeroso, de relatar as palavras do Profeta. Ele só relataria um hadith se tivesse certeza de que se lembrava de cada palavra. Um de seus contemporâneos disse:

"Entre os companheiros do Profeta, ninguém foi mais cauteloso em adicionar ou subtrair do hadith do Profeta do que Abdullah ibn Umar."

Da mesma forma, era extremamente cauteloso e relutante em fazer julgamentos legais (fatwas). Certa vez, alguém veio até ele pedindo um julgamento sobre um assunto específico e Abdullah ibn Omar respondeu: "Não tenho conhecimento do que você está perguntando." O homem seguiu seu caminho e Abdullah bateu palmas de alegria e disse a si mesmo: "O filho de Omar foi questionado sobre o que não sabia e disse: ‘Eu não sei.’"

Por causa dessa atitude, ele estava relutante em ser um qadi (juiz), embora fosse bem qualificado para tal. Este era um dos cargos mais importantes e estimados na sociedade e estado muçulmanos, trazendo honra, glória e até mesmo riquezas, mas ele o recusou quando lhe foi oferecido pelo Khalifah Uthman. Sua motivação não foi subestimar a importância da posição do qadi, mas sim o medo de cometer erros de julgamento em questões pertencentes ao Islam. Uthman o fez concordar em não divulgar sua decisão, para que não influenciasse os muitos outros companheiros do Profeta que realmente desempenhavam os deveres de juízes e consultores jurídicos.

Abdullah ibn Omar já foi descrito como o "irmão da noite". Ele ficava acordado à noite realizando Salat, lendo o Alcorão, chorando e buscando o perdão de Deus. Para sua irmã, Hafsah, o Profeta disse uma vez: “Que homem abençoado é Abdullah. Se ele realizasse Salat à noite, seria ainda mais abençoado.”

Desde aquele dia, Abdullah não abandonou aiyam al Layl, nem em casa, nem em viagens. Na quietude das noites, ele se lembrava muito de Deus, realizava Salat, lia o Alcorão e chorava. Como seu pai, as lágrimas vinham prontamente a seus olhos, especialmente quando ouvia os versos de advertência do Alcorão. Ubayd ibn Umayr relatou que um dia leu estes versos para Abdullah ibn Omar:

"Como então (os pecadores se sairão no Dia do Julgamento) quando Nós apresentarmos testemunhas de cada comunidade e trazer você (Ó Profeta) como testemunha contra eles? Aqueles que estavam decididos a negar a verdade e não prestaram atenção ao Apóstolo irão preferir neste dia que a terra os engula, mas eles não seriam capazes de esconder de Deus nada do que aconteceu. " (Surah an-Nisa, 4: 41-42). Abdullah chorou ao ouvir esses versos até sua barba ficar úmida de lágrimas. 

Um dia, ele estava sentado entre alguns amigos próximos e leu: "Ai daqueles que dão pouca medida, aqueles que, quando devem receber o que lhes é devido das pessoas, exigem que seja dado integralmente, mas quando têm que medir ou pesar tudo o que devem aos outros, dão menos do que é devido. Eles não sabem que estão destinados a ser ressuscitados dos mortos (e chamados a prestar contas) em um Dia terrível, o Dia em que todos os homens estarão diante do Sustentador de todos os mundos?" (O Alcorão, Surah al Mutaffifin, 83: 1-6). Neste ponto, ele continuou repetindo "o Dia em que todos os homens se apresentarão diante do Sustentador de todos os mundos" chorando até desmaiar.

Piedade, simplicidade e generosidade se combinaram em Abdullah para fazer dele uma pessoa muito estimada pelos companheiros e por aqueles que os sucederam. Doava generosamente e não se importava em se separar da riqueza, mesmo que caísse em necessidade como resultado. Ele foi um comerciante bem-sucedido e confiável ao longo de sua vida. Além disso, recebia um estipêndio generoso do Bayt al-Mal (tesouro), que costumava gastar com os pobres e necessitados. Ayyub ibn Wail ar-Rasi relatou um incidente de sua generosidade:

“Um dia, Omar recebeu quatro mil dirhans e um cobertor de veludo. No dia seguinte, Ayyub o viu no suq (mercado) comprando forragem para seu camelo a crédito. Ayyub foi até a família de Abdullah e perguntou:

‘Abu Abdur-Rahman (que significa Abdullah ibn Omar) não recebeu quatro mil dirhans e um cobertor ontem?’ ‘Sim, de fato’, responderam.

‘Mas eu o vi hoje no suq comprando forragem para seu camelo e ele não tinha dinheiro para pagar por isso.’ ‘Antes do anoitecer de ontem, ele já havia se despedido de tudo. Depois pegou o cobertor, jogou-o sobre o ombro e saiu. Quando voltou, não estava com ele e disse que o tinha dado a uma pessoa pobre’, explicaram.”

Abdullah ibn Omar encorajou a alimentação e a ajuda dos pobres e necessitados. Muitas vezes, quando comia, havia órfãos e pessoas pobres comendo com ele. Ele repreendeu seus filhos por tratarem bem os ricos e ignorarem os pobres. Uma vez, disse-lhes: "Vocês convidam os ricos e abandonam os pobres."

Para Abdullah, a riqueza era um servo, não um senhor. Era um meio para atender às necessidades da vida, não para adquirir luxos. Ele foi ajudado nessa atitude por seu ascetismo e estilo de vida simples. Uma vez, um de seus amigos veio do Khurasan e lhe trouxe uma peça de roupa fina e elegante:

"Trouxe este thawb para você do Khurasan. Isso certamente traria frescor aos seus olhos. Sugiro que você tire essas roupas grosseiras que você tem e coloque este lindo thawb."

Abdullah pediu: "Mostre-me então. É seda?" "Não, é algodão", respondeu o amigo.

Por algum tempo, Abdullah ficou satisfeito. Então, com a mão direita, afastou o thawb e disse: "Não! Tenho medo por mim mesmo. Temo que isso me torne arrogante e orgulhoso. E Deus não ama o fanfarrão arrogante."

Maymun ibn Mahran relata o seguinte: "Entrei na casa de Ibn Omar. Estimei tudo em sua casa, incluindo sua cama, seu cobertor, seu tapete e tudo o que havia ali. O que eu encontrei não valia cem dirhans."

Não porque Abdullah ibn Omar fosse pobre. Na verdade, ele era rico. Não por ser avarento, pois de fato era generoso e liberal.

 

Leia também...

O que devemos fazer para alcançar a salvação?

Não devorem mutuamente vossas propriedades em falsidade

Os santos são as sombras para o Sol Divino

Osman Gazi: Como um sonho deu origem ao Império Otomano