Nizam
www.Fonte:alim.org

Thabit ibn Qays era um chefe dos Khazraj e, portanto, um homem de considerável influência em Yathrib. Ele era conhecido pela agudeza de sua mente e pelo poder de sua oratória. Foi por isso que se tornou o porta-voz e orador (khatib) do Profeta e do Islam.

Ele se tornou muçulmano nas mãos de Musab ibn Umayr, cuja lógica fria e persuasiva e a doçura e beleza de sua recitação do Alcorão provaram ser irresistíveis.

Quando o Profeta chegou a Medina após a histórica Hégira, Thabit e uma grande reunião de cavaleiros deram-lhe uma recepção calorosa e entusiástica. Thabit agiu como seu porta-voz e fez um discurso na presença do Profeta e seu companheiro, Abu Bakr as-Siddiq. Ele começou louvando o Deus Todo-Poderoso e invocando paz e bênçãos sobre Seu Profeta e terminou dizendo:

"Prometemos a você, ó Mensageiro de Deus, que o protegeríamos de tudo o que protegemos a nós mesmos, nossos filhos e nossas esposas. Qual seria então nossa recompensa por isso?"

O discurso lembrava as palavras faladas no segundo Juramento de Aqabah e a resposta do Profeta foi a mesma: "Al-Jannah - Paraíso!"

Quando os yathribitas ouviram a palavra "al-Jannah", seus rostos brilharam de felicidade e entusiasmo e sua resposta foi: "Estamos satisfeitos, ó Mensageiro de Deus! Estamos satisfeitos, ó Mensageiro de Deus."

Daquele dia em diante, o Profeta (que a paz esteja com ele) fez de Thabit ibn Qays seu khatib, assim como Hassan ibn Thabit foi seu poeta. Quando delegações de árabes vinham até ele para mostrar seu brilho em versos e a força de suas habilidades oratórias, das quais os árabes se orgulhavam, o Profeta chamava Thabit ibn Qays para desafiar seus oradores e Hassan ibn Thabit a exaltar seus versos ante seus poetas.

No Ano das Delegações, o nono após a Hégira, tribos de toda a península Arábica vieram a Medina para homenagear o Profeta, anunciar sua aceitação do Islam ou pagar jizyah em troca da proteção do estado muçulmano. Uma delas foi uma delegação da tribo de Tamim que disse ao Profeta:

"Viemos para mostrar nossas proezas a você. Dê permissão para nosso Shaif e nosso Khatib falarem." O Profeta (que a paz esteja com ele) sorriu e disse: "Eu permito o seu Khatib. Deixe-o falar."

Seu orador, Utarid ibn Hajib, levantou-se e falou sobre a grandeza e as realizações de sua tribo e, quando terminou, o Profeta convocou Thabit ibn Qays e pediu: "Fique de pé e responda a ele." Thabit se levantou e disse:

"Louvado seja Deus, cuja criação são todos os céus e a terra onde Sua vontade foi manifestada. Seu trono é a extensão de seu conhecimento e não há nada que não exista por meio de sua graça. Por meio de Seu poder, Ele nos fez líderes e, com o melhor de Sua criação, escolheu um Mensageiro que é o mais honrado dos homens na linhagem, o mais confiável e verdadeiro em palavras e o mais excelente em ações. Ele lhe revelou um livro e o escolheu como um líder de sua criação. Entre toda a criação, ele é uma bênção de Deus.

“Convocou as pessoas a terem fé Nele. Os Emigrantes dentre seu povo e seus parentes, que são as pessoas mais honradas em estima e os melhores em ações, acreditaram nele. Então, nós, os Ansar (Ajudantes), fomos os primeiros a responder (ao seu pedido de apoio). Portanto, somos os Ajudantes de Deus e os ministros do Seu Mensageiro."

Thabit era um crente com uma fé profunda em Deus. Sua consciência e temor a Deus eram verdadeiros e fortes. Ele era especialmente sensível e cauteloso ao dizer ou fazer qualquer coisa que pudesse incorrer na ira do Deus Todo-Poderoso. Um dia, o Profeta o viu não apenas triste, mas abatido e assustado. Seus ombros estavam curvados e ele estava realmente se encolhendo de medo.

"O que há de errado com você, ó Abu Muhammad?" perguntou o Profeta. "Temo ser destruído, ó Mensageiro de Deus". "E porque?" perguntou o Profeta. "Deus Todo-Poderoso nos proibiu de desejar ser louvados pelo que não fizemos, mas estou gostando de elogios. Ele nos proibiu de ser orgulhosos e me vejo tendendo para a vaidade." Essa foi a época em que foi revelado o versículo do Alcorão: "Na verdade, Deus não ama nenhum fanfarrão arrogante."

O Profeta (que a paz esteja com ele) tentou acalmar suas ansiedades e medos e finalmente disse a ele: "Ó Thabit, você não tem prazer em viver como alguém que é elogiado, morrer como um mártir e entrar no Paraíso?"

O rosto de Thabit irradiava felicidade e alegria ao dizer: "Certamente, ó Mensageiro de Deus." "Na verdade, você terá isso", respondeu o nobre Profeta.

Houve outra ocasião em que Thabit ficou triste e cabisbaixo, quando as palavras do Alcorão foram reveladas:

"Ó vocês que creem! Não levantem suas vozes acima da voz do Profeta e nem falem em voz alta com ele, como falariam um com o outro, para que todos os seus atos não deem em nada sem que você perceba."

Ao ouvir essas palavras, Qays se afastou das reuniões e reuniões do Profeta, apesar de seu grande amor por ele e de sua presença até então constante em sua companhia. Ele ficou em sua casa, quase sem sair de lá, exceto para a execução do Salat obrigatório. O Profeta sentiu sua falta e pediu informações sobre ele. Um homem dos Ansar se ofereceu e foi até a casa de Thabit. Ele o encontrou sentado em sua casa, triste e abatido, com a cabeça baixa.

"Qual o problema com você?" perguntou o homem. "Estou mal", respondeu Thabit. "Você sabe que eu sou um homem com uma voz alta e que minha voz é muito mais alta do que a do Mensageiro de Deus, que Deus o abençoe e lhe conceda paz. E você sabe o que foi revelado no Alcorão. O único resultado para mim é que minhas obras não darão em nada e eu estarei entre as pessoas que irão para o fogo do inferno."

O homem voltou ao Profeta e disse-lhe o que tinha visto e ouvido. O Profeta o instruiu a retornar a Thabit e dizer: "Você não está entre as pessoas que irão para o fogo do inferno; você estará entre as pessoas do Paraíso."

Essas foram as notícias tremendamente boas com as quais Thabit ibn Qays foi abençoado. Os incidentes mostraram quão vivo e sensível ele era para o Profeta e os mandamentos do Islam, além de sua prontidão para observar a letra e o espírito de suas leis. Ele se sujeitou às mais severas autocríticas. Seu coração era temente a Deus e penitente, que tremia e estremecia por causa do temor de Deus.

 

Leia também...

Os santos são as sombras para o Sol Divino

O homem que cavou a própria tumba

Os conselhos de Saladino para administrar um reino

A idade do Profeta em cada casamento